segunda-feira, 7 de setembro de 2009



Do lado da cama estava à escrivaninha e na terceira gaveta que eu encontrei o que minha memória insistia em esquecer. Você surgiu outra vez, com o seu silêncio atroz e sua prumada, mas, algo que me deixa intrigante era aquele seu sorriso. No início achava que era uma provocação a presença desta práxis em um momento de ócio e desespero total de minha parte e mais uma vez ela insistia naquele sorriso pintado de vermelho. Sempre com esta cor, simbolizada por algo que não criei e passei a aceitá-lo assim como estes discursos que eu insisto mesmo sendo criado e recriado por algo fora daqui. Sonhei com aquelas duas cores oferecidas em suas distintas mãos, logo preferi a do seu sorriso. Outra vez, sem você. Ela desejava a saudade insistente e reaparecia quando o esquecimento começava a me aquecer. Ela quebra o molde, ela deseja quebrá-lo antes.
Sim, mas o porquê desta minha conversa contigo? Sim lembrei de que meu mestre uma vez me falou que eu esquentava a cabeça demais com coisas que a gravidade dá conta. A princípio não entendi o que ele queria dizer com isso, depois fui atinar para o que meu velho amigo queria dizer em sua forma enigmática tão característica. É que tudo tende a ir para chão forçosamente, por conta da gravidade. Então, face a esse poder maior o que sou? Nada. “Deixe o gênio ser gênio, assim como, deixe o medíocre ser medíocre também, afinal, tudo tende para o chão mesmo, tanto faz se é o mais inteligente, ou, se é o mais idiota”. Sabe das coisas o velho, meu problema é que ainda sou jovem demais para compreender as coisas como elas merecem, isto é, ruminadamente.

9 comentários:

  1. "Agora eu sei o que quero enxergar
    Esse colorido não devia mais me enganar
    Porque a cor deforma
    Quando a luz vem a brilhar
    E assim seu olho começo a decifrar"

    ResponderExcluir
  2. Mas eu te juro, são flores de um longo inverno =D

    ResponderExcluir
  3. Ainda ruminando seus textos...
    Há braços!

    ResponderExcluir
  4. seu rosto sorrindo, um
    horizonte como destino

    uma bagunça
    não arrumei
    do jeitinho que ela
    me deixou, fiquei

    ResponderExcluir
  5. Gosto tanto da forma q vc escreve. Gosto tanto dos seus textos. Às vezes chego a ser repetitiva.

    Beijos.

    ResponderExcluir