quarta-feira, 4 de novembro de 2009

nous touche




Ela reconhecia seu antigo personagem que lhe aparecia a cada noite, mas em suma, agora que ela o reduzira ao estado de silêncio, depois que lhe surgira como sombras, estava livre enfim, certa de si mesma e desvencilhada de tudo que lhe era estranho. Com efeito, o ruído cessou, na luz que permaneceu só e pura. Entretanto ele conferiou-lhe uma inquietude, a do excesso de certeza, a de uma constelação demasiado certa de si própria... Ela ficou um momento perturbada pela sua própria simetria, mas, compreendendo pela evasão muito grande da clareza, outrora atenuada, que essa evasão fora o ruído do pássaro cujo vôo propagado parecera-lhe contínuo...Ela pensou que seguindo essa luz, logo que recriasse numa vertigem semelhante à primeira, ela retornaria a seu esvaimento.


Finit le vers et




5 comentários:

  1. "Ne touche pas
    C'est à moi" :)

    Inexplicável acontece, de repente. Como é bom deitar no colo e ver as estrelas. Já nem me lembrava como era dormir. Já nem lembrava como era afago. Livros, cadernos, papel, chocolate, inexplicável, flores, mar, noite, escada, cartaz, sorvete, coca-cola, tela, letras, inexplicável, mãos, historinha, ombro, dedos, som, sem luz, com luz, vejo, me vê, outro mundo, inexplicável, SaudadeS.

    ResponderExcluir
  2. "Ela ficou um momento perturbada pela sua própria simetria". Escreves muito meninaa!!=*

    ResponderExcluir
  3. li repetidas vezes e não me canso de ler

    ResponderExcluir
  4. Lindo lindo, me deu mais vontade de voar, mas eu diria que consegui voar essa semana. Beijos!!

    ResponderExcluir